título

Helpo apoiou 765 estudantes do ensino secundário em Moçambique em 2017

O programa “Futuro Maior”, promovido pela associação portuguesa Helpo, apoiou em 2017 um total de 765 estudantes do ensino secundário em Moçambique, tendo 20 deles recebido esta semana, em Nampula, o certificado do final do ciclo.

Ondina Giga, coordenadora do programa promovido desde 2012 pela Helpo, organização não-governamental para o desenvolvimento, disse hoje à Lusa que o “Futuro Maior” foi criado porque muitas das crianças que concluem o primeiro ciclo em Moçambique acabam por não ter condições para prosseguir estudos.

 

As bolsas de estudo concedidas através da associação, em grande parte suportadas no âmbito do programa de apadrinhamento à distância, permitem que os jovens paguem a matrícula e adquiram material escolar, uniforme e calçado (obrigatórios), sendo ainda disponibilizada “assistência personalizada a cada aluno”.

 

O apoio concedido pelos padrinhos, 35 euros anuais, permite suportar esta despesa, dando a oportunidade a estes jovens de estudarem até à 12.ª classe, passando a ter acesso “a muitas portas em termos de empregabilidade”.

 

Ondina Giga afirmou que existe muito abandono no final do primeiro ciclo - que é gratuito e disponibilizado junto das comunidades -, porque o secundário, além dos custos obrigatórios, é leccionado em menor número de escolas, muitas vezes muito distantes das povoações onde as crianças habitam.

“O programa permite pelo menos dar o que necessitam para iniciar o ano lectivo”, que em Moçambique decorre de Fevereiro a Novembro, notou.

 

A Helpo tem ainda uma parceria com uma empresa moçambicana que disponibiliza bicicletas para as deslocações dos alunos e, pontualmente, para os que vivem em zonas mais isoladas, com um lar.

 

Ondina Giga referiu o facto de muitas raparigas desistirem por casarem ou ficarem grávidas, situação em que a associação tem igualmente procurado intervir, estando a crescer o número de raparigas a prosseguir estudos.

 

A cerimónia de arranque do ano lectivo aconteceu na quarta-feira nas instalações da Universidade Lúrio (parceira da associação), no Campus do Marrere, no distrito de Nampula, tendo sido entregues os diplomas de conclusão do ensino secundário a 20 estudantes que tiveram apoio do “Futuro Maior”, perante o director provincial de Educação e Desenvolvimento Humano, Júlio Mendes, a embaixadora de Portugal em Moçambique, Maria Amélia Paiva, a adida da Cooperação Portuguesa para Moçambique, Patrícia Pincarilho, e o coordenador da Helpo em Moçambique, Carlos Almeida.

 

A ONGD Helpo desenvolve a sua actividade desde 2007 em Portugal, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau, visando a promoção do desenvolvimento através da educação e da nutrição.

 

A intervenção faz-se em 38 comunidades rurais e 52 centros de intervenção, afirma uma nota da Helpo, sublinhando Ondina Giga que a adesão ao programa de apadrinhamento à distância decorre ao longo de todo o ano, podendo os projetos da associação ser consultados em http://www.helpo.pt/.

 

01 Fevereiro 2018
Fonte: Lusa

Partilhe: Facebook Twitter
>