título

Inspeção de Trabalho suspende professores estrangeiros da Escola Francesa de Maputo

A Inspeção-geral de Trabalho suspendeu 24 professores estrangeiros da Escola Francesa de Maputo que lecionavam ilegalmente, informou ontem o Ministério de Trabalho, Emprego e Segurança Social, em comunicado.

Os professores são de nacionalidade portuguesa, francesa, espanhola, britânica e sul-africana e lecionavam sem a devida autorização, violando o "regulamento relativo aos mecanismos e procedimento de contratação de cidadãos de nacionalidade estrangeira", segundo o Ministério de Trabalho de Moçambique.

 

"A brigada constatou ainda que o Liceu Gustave Eiffel - Escola Francesa Internacional de Maputo não dispõe de um regulamento interno, mapa de horário dos agentes de serviço e livro de registo de horas extras", refere o comunicado do Ministério de Trabalho.

 

Num comunicado enviado hoje à Lusa, a Escola Francesa admite as irregularidades, observando que a regularização dos assuntos levantados pelas autoridades moçambicanas é uma prioridade.

 

"O Liceu Gustave Eiffel empreende esforços para respeitar todos os procedimentos das leis moçambicanas no que tange ao emprego de professores cuja presença é indispensável para o funcionamento adequado dum estabelecimento escolar francês no estrangeiro", refere o comunicado.

 

Criada em 1979, a Escola Francesa de Maputo está situada no Bairro Polana-Caniço e é vizinha de outras duas grandes unidades de ensino na capital moçambicana, a Escola Portuguesa e a Escola Americana.

 

AIM

14.04.2018

Partilhe: Facebook Twitter
>